Relatos de professores são destaque de projeto da Educação; votação se encerra nesta quarta

Termina nesta quarta-feira (13), às 16:59, o período de votação para o melhor relato apresentado no concurso ‘Minha História no Digital’, promovido pela Prefeitura de Muriaé, em iniciativa da Secretaria Municipal de Educação.

A votação é feita pela internet, através do link digiescola.com.br/minhahistorianodigital. A divulgação do resultado será na próxima sexta-feira, 15 de outubro, data em que é celebrado o Dia do Professor.

O projeto trouxe relatos de desafios, experiências e aprendizados vividos durante o contexto da pandemia e foi apresentado através de minissérie disponibilizada no YouTube e também no site DigiEscola.

A premiação será de R$2.500 para o primeiro colocado; R$2 mil para o segundo; e R$1.500 para o terceiro. Além dos prêmios em dinheiro – possíveis graças ao apoio da cooperativa Sicoob Credisudeste – os três vencedores terão direito também a hospedagem de duas diárias com acompanhante em Pedra Menina (ES).

O projeto – O concurso “Minha História no Digital” foi produzido pelo setor de Projetos e Inovação da Secretaria Municipal de Educação de Muriaé, com o objetivo de celebrar a determinação e a criatividade dos professores para promoverem o ensino mesmo com as limitações impostas pela pandemia.

Para participar, os professores precisaram apenas escrever redações contando os desafios e as experiências com o uso das ferramentas digitais em prol da educação.

“Conhecer essas histórias foi extremamente emocionante. Poder relatar os desafios que enfrentaram na pandemia é uma forma de valorizá-los e mostrar para toda comunidade a importância do papel do professor”, pontua Thiago Morais, um dos responsáveis pelo desenvolvimento do projeto.

“Eu acredito que essas histórias são as nossas histórias. Os professores tiveram que se reinventar, se importar pelas crianças ainda mais, aumentar seu afeto e também sua empatia. Penso que as práticas vivenciadas vão influenciar as gerações futuras sobre a forma de aprender e ensinar”, acrescenta Guilherme Saito, também envolvido na produção.

Foram compilados mais de 70 textos, que seguiram para a segunda etapa do projeto: seleção, pelo júri neutro formado por quatro integrantes, dos relatos que seriam transformados em vídeos para a minissérie. Para garantir a imparcialidade da escolha, os julgadores receberam os textos identificados apenas por códigos, sem saber quem eram os respectivos autores.

Em 13 de setembro, saiu o resultado da fase classificatória, com a escolha dos textos produzidos pelos professores Ana Paula Marinho Batista Coelho, Francisco Augusto Ricardo, Karina Gisele da Silva, Marianne Oliveira da Silva e Simone Santos da Silva Apolinário.